sábado, 23 de fevereiro de 2013

AGRADECIMENTOS

Obrigada a todas as amigas que partilharam este blog comigo!!!

Ele fica dedicado a Tamires Coelho, Patricia Martins, Li Mendi, Magna Alves, Lenita Mara, Alisson Miranda, Maykoul Ferreira, Caroline Dálet, Vanessa Oliveira, Caroline Barreto e Vanessa Myuki!!

Obrigada meninas!!!

Este blog continua em PARA SEMPRE EM MINHA VIDA

CAP. 32 – CONSEQUÊNCIAS TERRÍVEIS


Tudo ao meu redor estava em silêncio. Eu podia sentir que havia aparelhos pelo meu corpo e alguns deles me causavam incômodo, mas, por mais que eu tentasse, eu não conseguia manifestar minhas sensações, pois aquele estranho sono não deixava.

Senti que Fabiano chorava e me chamava, minha mãe maldizia Samuel, enquanto meu pai dizia:

- Deus me perdoe! Mas eu espero que nem o diabo queira um sujeito ruim como esse no inferno!

Fiquei angustiada, queria me mexer e dizer que eu estava bem, mas aquele torpor não deixava. O sono foi ficando cada vez mais profundo e o aparelho apitou. As últimas palavras que eu ouvi foram:

- Ela acaba de entrar em coma!

Fiquei aterrorizada, como eu poderia estar em coma se eu estava ouvindo todos ao meu redor e sentia dores pelo corpo, os aparelhos que não me deixavam ficar confortável naquela cama ? Meu amor gritava desesperado:

- De novo não meu Deus!!! Não posso perder de novo a mulher da minha vida!!

Eu tentava falar e dizer a todos que eu estava bem, mas não conseguia. Foi quando ouvi uma voz muito conhecida me chamar:

- Hey Carol!!!

Sentei na cama assustada, e me assustei mais ainda ao perceber que estava sentada. Como podia ser isso se eu tinha consciência de estar deitada, de estar ligada em aparelhos e agora estar sentada e ouvindo a voz de Kelly, a minha prima falecida há dois anos ? Logo tive minhas dúvidas esclarecidas.

Kelly apareceu diante de mim, linda como sempre e eu não pude evitar que as lágrimas escorressem pelo meu rosto. Minha prima adorada, companheira da vida toda, estava ali diante dos meus olhos, como podia ser ?

Minha prima sorrindo, respondeu, lendo meus pensamentos:

- Por que o espanto Carol ? Até onde eu sei você sempre foi chegada em espiritualismo! Por que o medo ? E respondendo a sua pergunta, você consegue falar, quem está com aparelhos é o seu corpo de carne!

Achei estranho e tentei dizer algo, e fiquei surpresa quando vi que poderia me comunicar com facilidade.

Ficando mais consciente da minha estranha condição, eu perguntei:

- Prima, meu corpo vai morrer ?

Segurando minhas mãos com carinho, ela respondeu:

- Não prima!! Você ainda terá alguns anos na Terra, mas só estou autorizada a dizer que você precisava queimar este karma! Agora você precisa descansar!

Olhei meu corpo com naturalidade e respondi:

- Tecnicamente estou descansando!

A porta do quarto se abriu e Fabiano entrou, sentando-se perto da cama. Meu amor chorava baixinho e pedia como em oração:

- Meu amor... volta... não me deixe aqui sozinho...

Senti uma forte emoção e tentei lhe dizer:

- Estou aqui Fabiano!!

Minha prima me afastou e colocando as mãos na cabeça de Fabiano disse:

- Tenha calma! Ela voltará!! Confie!!

Fabiano mergulhou em pensamentos diversos e minha prima me chamou:

- Agora é hora de refazer suas energias! Vamos embora que no tempo certo trarei você de volta!

*Este blog continua em PARA SEMPRE EM MINHA VIDA

Conheça a estória de Fabiano, sua juventude, seu primeiro casamento com Fernanda, o nascimento de Gabrielly e seu envolvimento com Carolina, o acidente e o seu despertar!


terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

CAP. 31 – SACRIFICIO DE MÃE


O resgate ficou combinado para o dia seguinte. Quando Fabiano disse que iria até o banco para fazer o empréstimo para pegar os dez mil reais que Samuel passara a exigir, meu pai disse que não era preciso. Disse que a minha chácara, presente de meu pai quando eu  ainda era adolescente, estava intacta e que ele vendera às pressas para levantar o dinheiro do resgate.

Fabiano e eu nos olhamos e eu comecei a chorar de alegria. Abracei meus pais e e ali eu tive a certeza de que a partir daquele momento, eu tinha recuperado a minha família.

Olhando em meus olhos, o meu amor me disse:

- Assim que a Gabi estiver de volta vamos nos casar na igreja, do jeito que você sempre sonhou!

Eu nem podia imaginar que esse sonho ainda levaria um tempo para se concretizar.

No local combinado,  uma casa desabitada na saída da cidade, esperamos Samuel aparecer. A polícia se manteve escondida para não dificultar a entrega da minha filha.  Ele chegou com Gabriela, que inocente, vinha sorridente dizendo:

 - Mamãe!!! Olha que ursinho lindo o tio me deu!

Eu corri para abraçar a minha filha, mas quando me voltei para entrar no carro, senti que algo estava em minhas costas e ouvi Samuel dizer:

- Que comovente!!! Mãe e filha vivendo um momento de reencontro!!!

Ao ouvir que a polícia lhe dava voz de prisão, ele revirou os olhos e num impulso me puxou para junto dele:

- Eu disse que não queria polícia! Agora escolha, ou você vem comigo ou levo a menina de volta!

Sem pensar duas vezes, eu disse:

- Não faça nada com a Gabi!!!! Por favor!!! E me deixei arrastar para o carro. E de dentro do veículo, Samuel gritou:

- Levarei a Carolina para ter certeza de que não irão me perseguir!!

Gabriela olhava tudo assustada e se encolheu no colo de minha mãe.

Olhei para Fabiano e tive a sensação de que era a última vez que o veria. Minha vida estava no fim.
Na estrada, Samuel corria feito louco, e eu pedia desesperada que andasse mais devagar. Ele ria e dizia:

- Relaxa meu amor!! Aproveita a viagem!!!!!!

Eu suava frio dentro do carro, a velocidade aumentava cada vez mais. A polícia nos perseguia e eu torcia para que um milagre acontecesse e aquele carro fosse interceptado pela polícia.

Resolvi fechar os olhos, mas tive que abri-los com o grito de Samuel:

- Pára de rezar!!! Aproveita a viagem! Já disse!

Eu chorava e pedia para que ele andasse mais devagar. Uma buzina chamou minha atenção e eu gritei. Samuel tentara uma ultrapassagem arriscada que acabou fazendo com que o carro capotasse. Fechei os olhos e pedi a Deus que eu sobrevivesse àquele inferno para cuidar de minha filha ainda tão pequena.

As últimas cenas que eu me lembro de ter visto ainda nos sentidos da carne, foram os policiais me retirando de dentro do carro devido ao forte cheiro de gasolina e o carro se incendiando. Adormeci.